Programação Normal
PlayList
 
 
 
 
 
« Voltar



O STDJ definiu que a próxima partida entre Flamengo x Palmeiras pelo Campeonato Brasileiro, com mando de campo do clube carioca, será realizada com torcida única.


O órgão optou pela reciprocidade, atendendo solicitação do Flamengo, uma vez que no segundo turno no Brasileirão de 2019, o Ministério Público de São Paulo alegou “questões de segurança” para determinar somente a presença de torcedores do Palmeiras na partida do Allianz Parque.


No jogo do dia 1º de dezembro, mesmo jogando fora de casa e sem a presença de seu torcedor, o Flamengo venceu o Verdão por 3 a 1, já com o título da competição garantido.


A data da partida entre as duas equipes, com mando do Rubro-Negro, será divulgada somente quando a CBF definir o calendário de jogos do Campeonato Brasileiro.


Abaixo, a íntegra da nota divulgada pela Assessoria de Imprensa do Superior Tribunal de Justiça Desportiva:


O Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol julgou nesta quinta, dia 13 de fevereiro, o Mandado de Garantia do Flamengo contra a decisão da CBF em acatar orientação do Ministério Público de São Paulo para que o jogo contra o Palmeiras fosse realizado com torcida única no Allianz Parque, pela Série A do Campeonato Brasileiro 2019. Por maioria dos votos, os Auditores mantiveram a decisão do presidente através de liminar determinando que a próxima partida entre as equipes em que o Flamengo for mandante no Campeonato Brasileiro também seja realizada com torcida única. Os Auditores determinaram ainda que o Palmeiras adote as medidas necessárias de segurança para que nas partidas como mandante haja torcida visitante.


Em julgamento no Pleno, última instância, após o relatório do processo a Auditora Arlete Mesquita anunciou seu voto. “Acolho o Mandado de Garantia como Medida Cautelar. Entendo pela manutenção e confirmação da decisão de cautelar concedida pelo presidente do STJD para que no próximo jogo em que o mando de campo for do Flamengo se realize igualmente com torcida única e no próximo jogo com o Palmeiras mandante seja realizado um plano de segurança para os torcedores visitantes com antecedência razoável sob pena de ser realizada a partida em campo adverso. O objeto é que se tenha um equilíbrio”, explicou.


Os clubes sustentaram em seguida.


O advogado Michel Assef falou sobre o pedido do Flamengo. “Decisão favorável. O Flamengo opinou por não colocar o Palmeiras no polo passivo pela decisão ter sido da CBF. O Palmeiras provavelmente deverá dizer que a decisão extrapola o que foi requerido no Mandado de Garantia que pedia uma atitude imediata da Justiça Desportiva. O presidente do STJD aplicou o princípio de reciprocidade que foi o fundamento do Mandado de Garantia. Uma resposta para a torcida. A Justiça Desportiva decidiu que a reciprocidade seria atendida no campeonato seguinte”, encerrou.


Pelo Palmeiras o advogado Carlos Portinho arguiu preliminares antes de entrar no mérito. “Processualmente peço a revisão por diversas razões. A inicial é inepta na sua origem pelo MG ser proposto contra a CBF. O Palmeiras deveria ter constado na inicial e não teve a oportunidade de se manifestar na liminar e teve o direito de defesa cerceado. Processualmente não deveria ser admitida a inicial por não ter sido intimado a participar desde o início. Segunda questão processual é a perda de objeto por já ter sido realizada a partida. Terceira questão processual é que não há pedido de reciprocidade. Entendi que o presidente quis buscar justiça, mas não há esse pedido na inicial do Flamengo”, disse o advogado, que acrescentou.


“No mérito, houve uma ação que não foi deferida a medida. O MP está para defender os direitos coletivos. O plano de ação da partida considera a presença das duas torcidas na partida. No plano de ação há a previsão de que poderá ser de torcida única por que o MP já cogitava. Medida excepcional do MP e não seria razoável descumprir essa determinação.  O relatório de inteligência acusava que haveria confronto antes, durante e depois do jogo”, concluiu Portinho.


Julia Gelli, Subprocuradora-geral da Justiça Desportiva apresentou o entendimento da Procuradoria sobre o processo.


“O posicionamento da Procuradoria acompanha o voto da relatora. Além do esclarecimento de fato, entende a Procuradoria que o Palmeiras deveria e poderia se insurgir anteriormente; entende pela reciprocidade já citada e pelo princípio de isonomia. Lamento portões fechados, lamento torcida única. Triste e decepcionante para quem ama o futebol, mas tal situação não foi combatida pelo Palmeiras quando oportunizado anteriormente. Não entendo que isso não gere um precedente por ser uma situação ímpar. A organização do campeonato já estava definida e tinha toda uma expectativa da torcida. Coaduno com o entendimento da relatora”.


Com a palavra para voto o Auditor Ronaldo Piacente afastou as preliminares suscitadas pelo Palmeiras e acompanhou o voto da relatora na íntegra.


Já o Auditor João Bosco divergiu entendendo que a liminar não pode conceder o que não está no pedido. “Entendo que essa matéria não está preclusa e até uma próxima oportunidade o Flamengo possa requerer em processo próprio essa reciprocidade. Por mais simpático a ideia processualmente não tenho como conceder essa decisão. Voto pela perda do objeto desse Mandado de Garantia”, justificou.


O Auditor José Perdiz acompanhou a relatora e acrescentou. “Se perde o objeto, porém entendo que essa perda não atinge a liminar do presidente. Toda decisão que tira uma torcida é horrível. Acompanho a relatora.


Os Auditores Mauro Marcelo de Lima e Silva e Antônio Vanderler de Lima também votaram com a relatora.


Último a votar, o presidente do STJD Paulo César Salomão Filho justificou sua decisão. “Um tema que a gente precisa muito refletir de longa data. A função do tribunal é de competência disciplinar e o que a gente pretende é que todos disputem com condições iguais. A situação era cômoda para o Palmeiras de jogar com única torcida. Não cabe a nós interferir nas medidas de segurança, porém não cabe ao Ministério Público ou aos clubes interferir na competência do tribunal para aplicar penalidades. O único que pode estabelecer essa penalidade de torcida única é o tribunal”, encerrou Salomão.

3ºTempo

 
 
Acompanhe-nos através de suas redes sociais favoritas:
      
 
01   CHURRASCO
Harmonia do Samba
02   NOTíCIA DE ÚLTIMA HORA
Solange Almeida ft. Raí (Saia Rodada)
03   O VENTO
Enzo Rabelo
04   Tô DISPONíVEL
Mano Walter
05   CHOQUE TéRMICO
Luan Santana
06   CONTATINHO
Leo Santana ft. Anitta
07   GALERA DO INTERIOR
Xand Avião
08   Dá PREFERêNCIA PRA MIM
Thiago Brava part Gusttavo Lima
09   CREDO QUE DELíCIA
Kevinho
10   AS LáGRIMAS
JAM BRASIL
 
Nenhuma enquete ativa para exibir!