1
2
3
 
 
 
Amnhecendo na difusora
Início: 05:00 - Término: 08:00
Com: Carlinhos Eloi
» Ver toda programação
 
 
publicidade lateral
 
Uma boa tarde...
Ednete Almeida - Fortaleza/CE
24/05/2021 - 15:06
-----------------------

Boa tarde, um alô especial para Difusora Cristal...
Adriana - Quixeramobim/CE
06/05/2021 - 15:36
-----------------------

Bom dia a todos da Difusora Cristal, ótimo programa, estou sempre ligado! ;)...
Reinaldo Alves - Quixeramobim/CE
30/04/2021 - 10:03
-----------------------

Sou ouvinte da Difusora Cristal, a melhor da região!...
Aurenice - Quixeramobim/CE
26/04/2021 - 11:35
-----------------------

Bom dia Getúlio, tudo bem meu amigo, Aki ouvido os anos carregados, se for possível toda Nilton Cesar, a namorada que sonhei, obrigado, boa Páscoa, fica com Deus....
Junior Sousa - São Paulo/São Paulo
04/04/2021 - 8:40
-----------------------

Estou aqui no sofá assistindo vcs ao vivo Ouvindo esse hino maravilhoso Ofereço todos São Belnt o Veneza a todos vcs paróquia um abraço...
Goret - Jundiaí/São Paulo
14/03/2021 - 12:00
Resposta: Agradecemos a participação !
-----------------------

------------------------

» Enviar recado

» Ver todos os recados
 
publicidade lateral
 
 
« Voltar



Crédito: Pixabay

A pandemia de Covid-19 com um novo surto de H3N2, um subtipo do vírus Influenza A conhecido como Darwin, tem gerado preocupação. A identificação dos casos é difícil porque são duas doenças respiratórias com sintomas semelhantes.No Rio de Janeiro, foi identificado um jovem de 16 anos que testou positivo para coronavírus SARS-CoV-2 e Influenza A. A combinação dos vírus é chamada de “Flurona”, uma designação a partir dos termos “flu” (gripe, em inglês) e “rona” (de coronavírus). As duas doenças afetam o sistema respiratório.Em entrevista à TV Globo, a mãe do jovem disse que o filho é atleta e que ele tomou as vacinas contra a covid-19 e gripe. Segundo a mãe, o filho está bem e praticamente sem nenhum sintoma.

Os casos de Flurona foram detectados pela primeira vez nos Estados Unidos, durante o primeiro ano da pandemia de covid-19, de acordo com a Agência Brasil.“Esses casos de pacientes com dupla infecção viral não são novidades. Há pouco tempo pacientes tinham variante Delta e P1”, explicou a infectologista Ana Helena Germoglio.Segundo a médica, no exame, são encontrados materiais genéticos dos dois vírus. Não significa que os vírus vão causar doenças, eles podem estar apenas colonizando. “Estar com o material genético presente não significa que a pessoa está doente”, disse a especialista.

A infectologista explicou que os efeitos das duas doenças são semelhantes, com casos assintomáticos à insuficiência respiratória. Em alguns casos, a influenza pode ser tratada com Tamiflu.“As pessoas devem fazer a testagem ao sentir febre, dor no corpo e coriza. O tratamento deve ser feito após os testes. Não é possível fazer o diagnóstico baseado apenas nos sintomas relatados, alerta Germoglio.A médica orienta que a forma de prevenção é a mesma para as duas doenças, com vacinas, uso de máscaras e evitar compartilhar copos e talheres.

A infectologista Maura Salaroli, do Hospital Sírio-Libanês, alerta que os sintomas de influenza/gripe são mais intensos nas primeiras 48/72 horas de doença, já na Covid, os sintomas ficam mais intensos após o quinto dia de infecção.Em Israel, o primeiro caso de contágio simultâneo pela Covid-19 e pelo vírus Influenza foi detectado em uma mulher grávida não vacinada. A mulher recebeu alta em 30 de dezembro, após ser tratada com sintomas leves, informou o jornal Times of Israel. No país, cerca de 2.000 pessoas estão internadas por gripe e os casos da variante Ômicron do SARS-CoV-2 estão aumentando.

Para o médico Roberto Debski, os casos de Flurona devem aumentar no Brasil. “Precisamos estar preparados acompanhando e medicando as pessoas. Os casos de Covid não têm sido graves, mas ainda há uma grande quantidade de pessoas com a doença”.O Instituto Butantan ajuda a diferenciar os sintomas da gripe e da infecção pelo novo coronavírus:

Sintomas da gripe

Os sintomas clássicos da gripe sazonal são febre súbita, tosse (geralmente seca), dor de cabeça, dores musculares e articulares, mal-estar, dor de garganta e coriza. A tosse pode ser forte e durar duas ou mais semanas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

No caso do H3N2, os sintomas são os mesmos, com o potencial de causar casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em idosos e imunocomprometidos.

“O que muda, neste caso, é que o surto é considerado fora de época e é consequência do relaxamento das medidas de proteção, como o uso de máscaras”, explica o diretor do Laboratório Multipropósito do Instituto Butantan, Renato Astray.

“O problema deste ano é que estávamos há dois anos usando máscara e ela protege tanto contra a influenza quanto contra o SARS-CoV-2, já que ela inibe o contato com vírus respiratórios”, diz Astray.

Sintomas da Covid-19

No início da pandemia, a OMS divulgou que os infectados apresentavam sintomas como febre, tosse seca, cansaço e perda do paladar ou do olfato. Após o surgimento das variantes, os sintomas clássicos sofreram mudanças.À medida que a variante delta se espalhava pelo planeta, os sintomas mais comuns da doença passaram a ser febre, tosse persistente, coriza, espirros e dor de cabeça e garganta. Características semelhantes à gripe sazonal. A perda de paladar e de olfato deixou de ser relatada.

Já as infecções pela variante Ômicron, descoberta na África do sul em novembro, demonstraram outro padrão sintomático, segundo a médica Angelique Coetzee, presidente da Associação Médica da África do Sul. Segundo a médica, pacientes infectados pela Ômicron apresentavam sintomas como dores pelo corpo, dor de cabeça, dor de garganta e, sobretudo, um cansaço extremo que ela não via nos que contraíram a delta.



fonte: istoédinheiro

 

 



 
publicidade lateral
 
Acompanhe-nos através de suas redes sociais favoritas:
  
 
Nenhuma enquete ativa para exibir!
 
 
publicidade lateral